Pular para o conteúdo principal

É livro ou brinquedo?



Link Original: http://revistaescola.abril.com.br/creche-pre-escola/livro-ou-brinquedo-690612.shtml?page=0


Nos momentos dedicados à leitura, tanto em sala quanto na biblioteca da Educação Infantil do Centro Educacional Anísio Teixeira (Ceat), no Rio de Janeiro, as crianças têm acesso a vários livros: com muito ou pouco texto, somente ilustrados, literários e informativos, entre outros. O trabalho com o material é levado a sério pelos educadores. "O contato com as estantes e a chance de escolher um entre diversos títulos e folheá-los faz parte do desenvolvimento do comportamento leitor dos pequenos", diz Elisa Creuza de Jesus, educadora da creche.

No acervo, também estão disponíveis livros-brinquedos: do tipo pop-up (com imagens em dobradura que saltam das páginas), com texturas, sons e abas que, quando abertas, revelam novidades. Embora muita gente ainda tenha dúvidas sobre esse suporte e torça o nariz para os recursos que dividem espaço com ilustrações e textos, a equipe do Ceat aposta nele. Assim como as edições tradicionais, eles também são livros - e proporcionam interações diferentes.

O bom livro-brinquedo contribui para que o leitor viva uma experiência literária sem deixar de ser uma diversão relacionada ao brincar, que também é uma forma de interagir com o mundo. E vale registrar que a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) reconhece a categoria como legítima a ponto de, desde 1997, destinar um espaço para essas publicações no Prêmio FNLIJ, concedido anualmente.

É claro que para ser considerado livro o material precisa reunir algumas características básicas e ser usado como tal. Por exemplo: as informações precisam estar dispostas em páginas de forma que o leitor possa folheá-las, observar seu conteúdo e seguir a narrativa.

Recursos devem ajudar a contar a história

Nem tudo o que está disponível no mercado é interessante e tem qualidade. Trabalhar com afinco na escolha do que fará parte do rol de leitura da turma requer analisar os títulos um a um. É sua responsabilidade escolher bons materiais, elaborados com cuidado estético e com textos bem escritos (confira na próxima página algumas sugestões).

Além disso, é preciso avaliar se os mecanismos disponíveis ajudam a construir o enredo. Uma das características mais importantes da literatura é o mistério, a fantasia, o não dito -, o que o leitor está por descobrir. "Os artifícios do livro devem contribuir para isso. Se o texto, as imagens e outros recursos deixam tudo explícito, perde-se a graça", explica Ninfa Parreiras, mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora do Letra Falante, grupo de leitura e de pesquisa de literatura infantil e juvenil, em São Paulo.

Há livros-brinquedos que se aproximam mais de brinquedos devido ao formato e aos artifícios disponíveis, deixando a história em segundo plano. Isso pode parecer interessante para estimular os sentidos e entreter as crianças, mas não as aproxima da leitura.

No mais, o formato precisa ser levado em conta. "Exemplares muito grandes ou pesados demais dificultam a manipulação pela criançada", conta Ninfa. Porém, mesmo que intervenções do tipo pop-up pareçam delicadas para mãozinhas desajeitadas, os pequenos não devem ser privados de mexer nelas - para evitar páginas rasgadas, por exemplo. Um dos objetivos do trabalho com o livro-brinquedo é justamente despertar a vontade de entrar em contato com ele.

Como leitor experiente, você deve servir de modelo: mostre a forma adequada de manuseio, virando as páginas e mexendo no papel com cuidado, enquanto explica em voz alta o que está fazendo. Ainda assim, danos vão ocorrer - às vezes será possível repará-los, outras não e tudo bem. Tenha consciência de que isso faz parte do processo de aproximação da turma com o universo da leitura.

"Para que possam manusear o livro, me aproximo de cada uma das crianças e pergunto se querem tocá-lo. Depois da leitura em roda, organizo momentos para que todas tenham a oportunidade de folhear e explorar os títulos sozinhas", fala Elisa, do Ceat. Assim, os pequenos têm oportunidade de fazer descobertas com tempo e autonomia e seguem construindo sua trajetória como leitores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 de Novembro - Dia da Consciência Negra - Baixe o poster para colorir!

Dia 20 de novembro é o dia da Consciência Negra.

Esta data foi definida pela lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que incluiu o dia 20 de novembro no calendário escolar, data em que comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. A mesma lei também tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. 


Com a implementação dessa lei, o governo brasileiro espera colaborar para o resgate da contribuição dos povos negros nas áreas social, econômica e política ao longo da história do país.



Quem nunca jogou Ludo na vida?

Poucas coisas na nossa vida são tão comuns quanto o Jogo de Ludo. O Ludo é um dos jogos mais populares que conhecemos. Pouquíssimos são os que não se divertiram na sua infância ou na sua fase adulta com este jogo que, apesar de simples, é muito divertido e educativo.
Algumas curiosidades sobre o Jogo de Ludo:
·Ludo é uma versão ocidental do jogo nacional da Índia, o Pachisi; ·Os pinos do jogo, originalmente, são chamados de Cavalos; ·A palavra Ludo significa “eu jogo”, originado do latim; ·Existem diversas variações do Ludo. Uma das mais conhecidas é o Ludo Real, que possui algumas casas Reais (representadas por uma Coroa) e as casas Vingança;
O Brinque-lonas possui duas versões do Jogo de Ludo, a versão GIGANTE, no tamanho de 0,90m x 0,90m e que vem numa embalagem com duas unidades, e a versão MEGA-GIGANTE, no tamanho de 3,10m x 3,10m que vem com acessórios como cones, coletes e dado gigante.

Realidade Aumentada e Educação.

As crianças e adolescentes de hoje buscam estímulos diferenciados por conta própria e quase por necessidade. Curiosidade, interesse e a própria vivência cotidiana com a tecnologia fazem desta uma ferramenta perfeita para a aprendizagem e fixação de conteúdo, se bem usada. Neste ensejo, novos recursos tecnológicos, como por exemplo a recente repercussão da Realidade Aumentada, que se tornou muito conhecida com o jogo Pokemon Go, ganha também status de Ferramenta Educacional,  já que pode proporcionar uma interação tecnológica assistida pelo educador, evitando o isolamento de estar fixo a uma só tela. Coloca o aluno como peça principal dentro do contexto apresentado, trazendo experiências realísticas que melhoraram a fixação dos conteúdos apresentados em sala de aula, oferece  integração e comunicação entre os alunos e leva todos a interagirem com objetos e cenários tridimensionais.
A Realidade Aumentada traz para dentro da sala de aula o uso de Smartphon…