Você sabe como surgiu o dia das Crianças?

Você sabe como surgiu o dia das Crianças?

O dia das crianças é comemorado no mundo todo, mas não na mesma data.
No Brasil ela surgiu em 1924, através de uma lei do Deputado Galdino do Valle Filho, no governo do presidente Arthur Bernardes, oficializando o dia 12 de outubro como o dia das crianças.

Porém a data caiu no esquecimento até a década de 60, quando numa promoção conjunta entre Estrela e Johnson&Johnson para alavancar suas vendas, a data entrou em evidência e foi rapidamente copiada por outras empresas.

O dia 12 de outubro, então, ficou imortalizado e se tornou uma das principais datas comerciais do Brasil.

O Dia Universal da Crianças, instituído pela ONU, é comemorado no dia 20 de novembro, e foi instituída em 1959, em comemoração da aprovação da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Curiosidade: Dia das Crianças no Mundo:
Muitos países comemoram o Dia das Crianças em outros dias do ano. Na Índia, é em 15 de novembro. Em Portugal e Moçambique, a comemoração acontece no dia 1º de junho. Na China e no Japão, a comemoração acontece em 5 de maio.



Dicas de brincadeiras para festa de aniversário - Revista Crescer

Pintura, esculturas com bexigas, corrida do ovo. Veja algumas dicas para animar a garotada durante a comemoração.


Hora da brincadeira

- Procure convidar crianças da mesma idade. Se tiver muita diferença, é preciso pensar em atividades diferenciadas.

- Distribua camisetas tamanho G ou aventais para os pequenos não sujarem a roupa de festa. Eles podem ir junto com os convites!

- Prepare um cronograma da festa com, no máximo, quatro horas de duração.

- Prefira apresentações que não durem mais de 40 minutos para crianças até 4 anos e de uma hora para as maiores. Elas se cansam e acabam se dispersando.

- Evite apresentações muito barulhentas e com grandes surpresas para crianças pequenas. Elas podem ficar com medo.

- Confira o espaço necessário para montar o cenário e também se será preciso usar eletricidade e de qual voltagem.

- Se você contratar um showzinho, marque o início para 1 hora antes de cantar o parabéns.

- Elemento surpresa: algo que seu filho goste muito e que ele só vá descobrir na hora. Pode ser um show de mágica, palhaço, teatro de fantoche ou até um realejo!

- A corrida de ovo é uma das muitas brincadeiras que você pode organizar para animar a festa. Anote outras: corrida do saco, dança das cadeiras, corret-cotia, cabra-cega...

DICA!
Se tiver mais de dez crianças em casa, o ideal é contratar monitores para ajudar a organizar a brincadeira.


Mão na massa

Prepare uma oficina para os convidados. Eles se divertem e podem produzir suas próprias lembrancinhas.

- Pintura com guache: carrinhos de madeira para os meninos e porta-jóias para as meninas. Se preferir, porta-retrato para todos os convidados. E relaxe! Tinta guache sai fácil com água e não agride a pele.

- Oficina de sucata: esculturas com embalagens de papel e de plástico. Separe cola, fita crepe, tintas e material reciclável. Dê um exemplo e eles fazem o resto.

- Ateliê de argila: compre argila e corte em “fatias” usando um fio de nylon. Divida entre as crianças e coloque potes de água para eles molharem as mãos.

Brinque e Dance School entre os melhores da Revista Crescer


Os 75 Melhores Brinquedos do ano - Revista Crescer

O Brinque e Dance School da Brinque-lonas foi selecionado entre os 75 melhores brinquedos do ano da Revista Crescer. Na categoria acima de 6 anos foram selecionados 15 brinquedos no total, entre eles o Brinque e Dance School, da Brinque-lonas.

Confira o vídeo e todos os brinquedos da lista no link:


Brinque e Dance Shool


Lançamento - Kit Dados PROFISSÕES

Chegou mais um lançamento da Brinque-lonas:
o KIT de DADOS PROFISSÕES.




O kit é composto por 6 dados, totalizando 36 profissões diferentes.
Agora o professor poderá trabalhar o aprendizado das profissões dentro da sala de aula de uma maneira divertida com as diversas atividades descritas no manual.

Os kits de Dados Educativos são ferramentas para o educador desenvolver atividades, jogos e brincadeiras diversas em sala de aula. É um excelente instrumento de alfabetização que auxilia o aprendizado em diversos assuntos.

Os Dados Educativos da Brinque-lonas são divididos em KITs que vem acompanhados de um Manual didático-pedagógico, com informações sobre cada tema e diversas sugestões de atividades para serem realizadas em sala de aula pelo Educador. Cada KIT vem com uma super embalagem transparente para guardar e transportar o brinquedo.


5 de Setembro - Dia da Amazônia

Hoje é o Dia da Amazônia!

A Amazônia é uma floresta latifoliada úmida que cobre a maior parte da Bacia Amazônica da América do Sul. Esta bacia abrange sete milhões de quilômetros quadrados, dos quais cinco milhões e meio de quilômetros quadrados são cobertos pela floresta tropical. Esta região inclui territórios pertencentes a nove nações. A maioria das florestas está contida dentro do Brasil, com 60% da floresta, seguido pelo Peru com 13% e com pequenas quantidades na Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e França (Guiana Francesa). Estados ou departamentos de quatro nações têm o nome de Amazonas por isso. A Amazônia representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes no planeta e compreende a mais biodiversa de floresta tropical do mundo. É um dos seis grandes biomas brasileiros.No Brasil, para efeitos de governo e economia, a Amazônia é delimitada por uma área chamada "Amazônia Legal" definida a partir da criação da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia(SUDAM), em 1966. É chamado também de Amazônia o bioma que, no Brasil, ocupa 49,29% do território e abrange três (Norte, Nordeste e Centro-Oeste) das cinco divisões regionais do país, sendo o maior bioma terrestre do país. Uma área de seis milhões de hectares no centro de sua bacia hidrográfica, incluindo o Parque Nacional do Jaú, foi considerada pela UNESCO, em 2000 (com extensão em 2003), Patrimônio da Humanidade.A Floresta Amazônica foi pré-selecionada em 2008 como candidata a uma das Novas 7 Maravilhas da Natureza pela Fundação Sete maravilhas do mundo moderno. Em fevereiro de 2009, a Amazônia foi classificada em primeiro lugar no Grupo E, a categoria para as florestas, parques nacionais e reservas naturais.

Fonte: Wikipedia




Curiosidades sobre a Amazônia:

Antes de ser batizado de Rio Amazonas, o maior rio brasileiro era chamado pelos indígenas de Rio Icamiabas. O detalhe é que Icamiabas designava as mulheres que viviam sem homens, como as míticas amazonas.

O Rio Amazonas despeja no Oceano Atlântico num único dia mais água do quo o Rio Tâmisa em um ano. Um dos afluentes do Amazonas, o Rio Negro possui mais água do que toda a água doce da Europa.

Só para se ter uma idéia quantidade de água doce despejada no Atlântico pelo Amazonas: a salinidade do mar é mais baixa do que o normal até 150 Km mar adentro.

Imagens de satélites mostram o crescimento do litoral da Guiana Francesa e do estado do Amapá, no Brasil. A explicação está na quantidade de sedimentos despejados no Oceano Atlântico pelo Rio Amazonas.

Os rios escuros como o Rio Negro são mais bonitos, mas possuem uma água mais ácida e pobre em nutrientes. Por isso, apenas 5% dos peixes comercializados em Manaus vêm do Rio Negro.

Nas cheias, o Rio Amazonas podem medir 50 Km de uma margem a outra.

Ao contrário do que se propaga por aí, o Rio Amazonas é o mais extenso do mundo, não o Nilo. O Amazonas supera o Nilo em 140 Km.

Entre os afluentes do Amazonas estão alguns rios bem conhecidos dos brasileiros, entre os quais o Negro, o Purus, o Madeira, o Tapajós, o Xingu, o Javari, o Solimões e o Jari.

A primeira expedição que subiu o Rio Amazona foi empreendida pelo português Pedro Teixeira, um dos fundadores de Belém do Pará.

É possível encontrar tubarões e outros peixes do mar no Rio Amazonas. Tubarões já foram vistos 400 Km rio acima.

A Ilha de Marajó não é uma ilha, mas um arquipélago com cerca de 2 mil ilhas. A área de Marajó é maior do que a Suiça.

O maior arquipélago fluvial do mundo é de Mamirauá, no leito do Rio Negro. Acredite se quiser, mas Mamirauá é formado por mais de 700 ilhas.

O segundo arquipélago de água doce do mundo fica no Amazonas e se chama Anavilhanas. Localizado no estado do Amazonas, o Arquipélago de Anavilhanas é formado por cerca de 400 ilhas.

O maior peixe de água doce do mundo é o Pirarucu, uma espécie típica do Amazonas. Um pirarucu é capaz de atingir até 2,5 metros de comprimento e pesar 250 quilos.

Embora possua 60% de sua cobertura em terras brasileiras, a floresta amazônia se estende por vários países sul-americanos: Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela, Suriname, Guiana, Guiana Francesa e Equador.

Das 483 espécies de mamíferos brasileiros, 324 vivem na Amazônia. Para se ter uma idéia, das 141 espécies de morcegos, 125 voam na região. A Amazônia também possui um terço dos insetos da Terra.

Com cerca de 1.622 espécies, a Amazônia abriga metade das aves conhecidas do mundo.

Existem na Amazônia 468 espécies de répteis e 517 de anfíbios.

A maior parte dos animais da Amazônia pertencem a espécies que habitam a copa das árvores.

O menor primata do mundo, o sagui-leãozinho, é nativo da Amazônia. Ele tem 15 cm e pesa apenas 130 gramas.

Dois em cada três índios brasileiros vivem nas reservas indígenas da região amazônica.

Ainda existem tribos indígenas isoladas na região amazônica. Embora cada vez mais raras, algumas nunca tiveram contato com o homem branco.

Criado em 1986, o Parque Nacional do Jaú é o terceiro maior parque de floresta tropical do planeta. Só para se ter uma idéias das suas dimensões, o Jaú ocupa uma área maior do que a do estado de Sergipe (22.720 Km2).

A cidade de Manaus, capital do estado do Amazonas, recebeu esse nome em homenagem à nação indígena dos Manaós.

Belém é conhecida como a cidade das mangueiras. A quantidade de mangueiras impressiona quem vem de fora. Interessante é que a maior parte dos automóveis da capital do Pará tem ou teve a lataria amassada por alguma manga que despencou da sua árvore.


Ficheiro:Anavilhanas1.jpg

Resultado do IDEB

Confira no link abaixo o resultado do novo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) do seu estado, município ou escola:

http://ideb.inep.gov.br/resultado/

Olimpíada de Língua Portuguesa

Escolas públicas de todo o país têm prazo até 3 de setembro para selecionar os textos produzidos pelos alunos, com apoio de professores, e enviá-los à comissão julgadora municipal da terceira edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro.

Uma vez encerrada a produção dos trabalhos em sala de aula, é hora de cada professor escolher o melhor texto da classe, junto com seus alunos. Durante o mês de agosto as escolas organizaram uma comissão julgadora para selecionar um texto por categoria (poema, memórias literárias, crônica, artigo de opinião). Daí em diante, o texto passa por sucessivas etapas de seleção – municipal, estadual, regional até chegar à nacional.

Cabe ao diretor da escola a formação da comissão escolar, que pode ser composta por um grupo de três a cinco avaliadores, entre professores de língua portuguesa, representantes de pais de alunos e da comunidade. Os critérios a serem seguidos pela comissão para avaliar os textos está publicado na comunidade virtual da olimpíada.

Os 500 semifinalistas participam com seus professores do Encontro Regional em uma capital brasileira. Os 152 finalistas participam com seus professores, diretores e um pai ou responsável do encontro nacional em Brasília, onde serão anunciados os 20 vencedores. Na etapa regional há também um concurso para relato de prática, destinado aos professores dos alunos semifinalistas. Uma comissão julgadora específica seleciona um relato por região.

O programa do Ministério da Educação e Fundação Itaú Social, em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), oferece formação a professores da rede pública para o ensino do idioma com o objetivo de estimular a leitura e desenvolver competência de escrita nos alunos.

142º Aniversário de Maria Montessori

Homenagem do Google ao 142º Aniversário de Maria Montessori:

Maria Montessori conhecida pelo método educativo que desenvolveu.

Chamada de Dottoressa, filha de Alessandro Montessori, um oficial do Ministério das Finanças, e Renilde Stoppani, nasceu no dia 31 de agosto de 1870 em Chiaravalle, Província de Ancona, Itália.

Desde muito jovem, manifestou interesse pelas matérias científicas, principalmente matemática e biologia, resultando em conflito com seus pais, que possuíam o desejo que ela seguisse a carreira de professora.

Indo contra as expectativas familiares, inscreveu-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Roma, escolha que a levou a ser, em 1896, a primeira mulher a formar-se em medicina na Itália. Após sua formatura, iniciou um trabalho com crianças com necessidades especiais na clínica da universidade, vindo posteriormente dedicar-se a experimentar em crianças, sem comprometimento algum, os procedimentos usados na educação dos que tinham comprometimento. Observou, também, crianças que brincavam nas ruas e criou um espaço educacional para estas crianças - a Casa dei Bambini.

Responsável também pela criação do método montessori de aprendizagem, composto especialmente por um material de apoio em que a própria criança (ou utilizador) observa se faz as conexões corretas.

Maria Montessori foi homenageada pelo Google com um Doodle, no dia 31 de agosto de 2012, data em que completaria 142 anos.

142º Aniversário de Maria Montessori

www.google.com.br

É livro ou brinquedo?



Link Original: http://revistaescola.abril.com.br/creche-pre-escola/livro-ou-brinquedo-690612.shtml?page=0


Nos momentos dedicados à leitura, tanto em sala quanto na biblioteca da Educação Infantil do Centro Educacional Anísio Teixeira (Ceat), no Rio de Janeiro, as crianças têm acesso a vários livros: com muito ou pouco texto, somente ilustrados, literários e informativos, entre outros. O trabalho com o material é levado a sério pelos educadores. "O contato com as estantes e a chance de escolher um entre diversos títulos e folheá-los faz parte do desenvolvimento do comportamento leitor dos pequenos", diz Elisa Creuza de Jesus, educadora da creche.

No acervo, também estão disponíveis livros-brinquedos: do tipo pop-up (com imagens em dobradura que saltam das páginas), com texturas, sons e abas que, quando abertas, revelam novidades. Embora muita gente ainda tenha dúvidas sobre esse suporte e torça o nariz para os recursos que dividem espaço com ilustrações e textos, a equipe do Ceat aposta nele. Assim como as edições tradicionais, eles também são livros - e proporcionam interações diferentes.

O bom livro-brinquedo contribui para que o leitor viva uma experiência literária sem deixar de ser uma diversão relacionada ao brincar, que também é uma forma de interagir com o mundo. E vale registrar que a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) reconhece a categoria como legítima a ponto de, desde 1997, destinar um espaço para essas publicações no Prêmio FNLIJ, concedido anualmente.

É claro que para ser considerado livro o material precisa reunir algumas características básicas e ser usado como tal. Por exemplo: as informações precisam estar dispostas em páginas de forma que o leitor possa folheá-las, observar seu conteúdo e seguir a narrativa.

Recursos devem ajudar a contar a história

Nem tudo o que está disponível no mercado é interessante e tem qualidade. Trabalhar com afinco na escolha do que fará parte do rol de leitura da turma requer analisar os títulos um a um. É sua responsabilidade escolher bons materiais, elaborados com cuidado estético e com textos bem escritos (confira na próxima página algumas sugestões).

Além disso, é preciso avaliar se os mecanismos disponíveis ajudam a construir o enredo. Uma das características mais importantes da literatura é o mistério, a fantasia, o não dito -, o que o leitor está por descobrir. "Os artifícios do livro devem contribuir para isso. Se o texto, as imagens e outros recursos deixam tudo explícito, perde-se a graça", explica Ninfa Parreiras, mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora do Letra Falante, grupo de leitura e de pesquisa de literatura infantil e juvenil, em São Paulo.

Há livros-brinquedos que se aproximam mais de brinquedos devido ao formato e aos artifícios disponíveis, deixando a história em segundo plano. Isso pode parecer interessante para estimular os sentidos e entreter as crianças, mas não as aproxima da leitura.

No mais, o formato precisa ser levado em conta. "Exemplares muito grandes ou pesados demais dificultam a manipulação pela criançada", conta Ninfa. Porém, mesmo que intervenções do tipo pop-up pareçam delicadas para mãozinhas desajeitadas, os pequenos não devem ser privados de mexer nelas - para evitar páginas rasgadas, por exemplo. Um dos objetivos do trabalho com o livro-brinquedo é justamente despertar a vontade de entrar em contato com ele.

Como leitor experiente, você deve servir de modelo: mostre a forma adequada de manuseio, virando as páginas e mexendo no papel com cuidado, enquanto explica em voz alta o que está fazendo. Ainda assim, danos vão ocorrer - às vezes será possível repará-los, outras não e tudo bem. Tenha consciência de que isso faz parte do processo de aproximação da turma com o universo da leitura.

"Para que possam manusear o livro, me aproximo de cada uma das crianças e pergunto se querem tocá-lo. Depois da leitura em roda, organizo momentos para que todas tenham a oportunidade de folhear e explorar os títulos sozinhas", fala Elisa, do Ceat. Assim, os pequenos têm oportunidade de fazer descobertas com tempo e autonomia e seguem construindo sua trajetória como leitores.

Brincadeiras e Brinquedos Culturais



Existem brincadeiras e brinquedos que hoje conhecemos por passar de geração em geração. Possuem várias origens e participaram de várias etapas do desenvolvimento do país. Hoje, essas brincadeiras fazem parte da cultura do nosso povo e parte do folclore brasileiro que marcam os períodos por aqui vividos.
Os índios que viviam no Brasil antes do seu período de descobrimento utilizavam uma trouxa de folha cheia de pedras que eram amarradas numa espiga de milho. Brincavam de jogar esta trouxa de um lado para outro, chamavam-na de Pe’teka, que em tupi significa bater.
De origem francesa, a amarelinha chegou ao Brasil e rapidamente se tornou popular. A brincadeira consiste em um desenho formado por blocos numerados de 1 a 9, com semicírculos nas extremidades que são jogados com uma pedrinha que deve obedecer as paredes de cada bloco.
Cerca de 1000 anos antes de Cristo a pipa era utilizada como forma de sinalização, mas ao chegar ao Brasil, trazida pelos portugueses, a pipa se tornou somente uma forma de diversão. Ela voa através da força dos ventos e é controlada por uma corda que permite ao condutor deixá-la cada vez mais alta ou mais baixa.
A ciranda, que é a dança mais famosa do Brasil, foi trazida de Portugal como dança adulta, mas logo sofreu transformações e passou a alegrar as brincadeiras infantis. É bastante utilizada ainda hoje em escolas, parques e espaços que prezam as brincadeiras antigas, passando-as às novas gerações, mostrando sua importância folclórica e cultural.
O jogo do osso de origem pré-histórica também é bastante passado aos netos pelos avós. Consiste em jogar um objeto para o alto e pegar outro em seu lugar fazendo um jogo de malabarismo.

Brincar é coisa de criança? - Artigo do site Brasil Escola

Link original: Brincar é coisa de criança? - MeuArtigo Brasil Escola

BRINCAR É COISA DE CRIANÇA?

Por Sonia das Graças Oliveira Silva

Brincar é hábito essencial para a criança ter uma melhor qualidade de vida e parece ter até um poder terapêutico natural, como um remedinho auxiliar nas dores da criança.

Brincadeiras, geralmente envolvem emoções, afetividade, laços com outras pessoas, ligações entre as pessoas. Uma brincadeira ou um jogo onde participem mais de uma pessoa, geralmente implica trocas, partilhas, confrontos e negociações. Além do mais, brincar constitui auxílio na boa formação infantil, nas esferas emocional, intelectiva, social e física.
Deixar de brincar com a criança é também esquecer de viver com qualidade de vida, e, quando oferecemos possibilidades de brincar às crianças, oferecemos mais que o próprio ato de brincar, oferecemos uma perspectiva de vida melhor, um desenvolvimento mais natural e eficiente, com socialização e interação.

Normalmente a criança não possui um domínio de linguagem capaz de transmitir tudo que está sentindo e, por vezes, nas brincadeiras elas conseguem passar este problema de maneira mais tranqüila. Brincando a criança consegue ser criativa e utiliza sua personalidade integral. O brincar combina ficção com a realidade, de modo que a criança que brinca trabalha as informações recebidas, os dados e percepções da realidade, sempre na forma de ficção.

No brincar a criança utiliza suas próprias experiências, aquilo que observa. Por exemplo, uma criança pequena reproduz as ações que percebe em seu meio, como dirigir um carro ou embalar uma boneca. À medida que vão crescendo acabam incorporando a representação que fazem da vida real, os conhecimentos adquiridos, os desejos e sentimentos.

sendo a brincadeira a linguagem própria da criança, através da qual lhe será possível o acesso à cultura e sua assimilação, o que torna o brincar fundamental à vida da criança, melhorando seu desenvolvimento cognitivo e motor.

A auto-estima, como uma das condições do desenvolvimento normal, tem seu início na infância, em processos de interação social, na escola ou na família, que são amplamente proporcionados pelo brincar.
Oferecer às crianças as brincadeiras e brinquedos, por mais simples que sejam, é por si mesmo uma cura, que possui aplicação imediata e universal, viabilizando a elas atitudes positivas e prazerosas.

Uma boa maneira que os adultos podem utilizar para estimular a imaginação das crianças é servir de modelo, brincar junto ou contar como brincava quando tinha a idade delas. Muitas vezes, o adulto não percebe a seriedade e a importância do brincar para o desenvolvimento da criança e não observando atentamente não reflete sobre o que as crianças estão fazendo. Deixando de acompanhar as brincadeiras, o adulto, não nota as novas aquisições da criança, as relações delas com as outras crianças e com os próprios adultos, enfim, não percebe o seu desenvolvimento.

Há uma unanimidade de pensamentos dizendo que o brincar tem papel essencial no desenvolvimento da criança, principalmente nos primeiros anos de vida, nos quais ela tem de realizar a grande tarefa de compreender e se inserir em seu grupo, desenvolver a linguagem e explorar o mundo físico.

Muitos pesquisadores afirmam que o brincar, por vezes, tem o efeito de uma terapia. E, sendo um recurso tão antigo não vem sendo utilizado como dever

Link original: Brincar é coisa de criança? - MeuArtigo Brasil Escola

Crescer - NOTÍCIAS - Brincadeira na infância reflete em uma vida adulta mais saudável


Que brincar faz bem para o seu filho, você já sabe. Mas já imaginou como as brincadeiraspodem beneficiar a saúde dele até quando ele crescer? Uma pesquisa da Universidade de Ulster, na Irlanda do Norte, feita com 500 adultos, constatou que os adultos mais saudáveis e com um estilo de fica mais ativo tiveram uma infância cheia de brincadeiras.

Os pesquisadores dividiram a brincadeira em quatro categorias – criativa, ativa, tecnológica e solitária – e verificaram que todas tiveram impactos positivos no estilo de vida adulto. Eles também verificaram o contrário: crianças que foram criadas com restrições a brincadeiras tornaram-se adultos com tendência a sobrepeso e hábitos menos saudáveis. “Apesar de ser algo espontâneona infância, brincar muitas vezes não é considerado tão importante pelos pais”, afirma Tony Cassidy, responsável pelo estudo, em comunicado da universidade.

Brincar ao ar livre faz bem

Outra pesquisa, conduzida pela Universidade de Washington, também reforça a tese do quanto as brincadeiras são importantes não só para o desenvolvimento infantil, mas também para uma boa saúde. Os pesquisadores constataram que a existência de espaços verdes perto de casa contribui para que as crianças façam mais atividades físicas e, consequentemente, tenham menos riscos de ficarem obesas.

A pesquisa foi conduzida por Janice Bell e outros pesquisadores da Escola de Saúde Pública e Medicina Comunitária da Universidade de Washington. Eles acompanharam quase 4 mil crianças e jovens, de 3 a 16 anos, durante dois anos. De acordo com artigo publicado na edição de dezembro do American Journal of Preventive Medicine, a pesquisa sugere, ainda, que as crianças que vivem em contato com áreas verdes apresentam melhor funcionamento cerebral e menos sintomas de déficit de atenção e hiperatividade.

Você mora longe de parques? Ou vive em uma cidade carente de espaços verdes? Então, procure outras alternativas: viaje para o campo sempre que possível, cultive um jardim em seu próprio quintal e se divirta junto com as crianças. De quebra, você também relaxa, se sente mais revigorado e ganham até mesmo auto-estima.

Televisão e videogame em excesso fazem mal

Pesquisadores da Universidade Yale, dos Estados Unidos, realizaram um estudo abrangente em que reuniram 173 pesquisas diferentes sobre a relação entre as crianças e as mídias em geral, produzidas desde 1980. Eles constataram que aquelas que passam muito tempo assistindo à televisão, a filmes, navegando na internet ou jogando videogame estão mais propensas, futuramente, a desenvolver problemas como obesidade, fumo, uso de drogas e álcool, déficit de atenção e hiperatividade, além de apresentarem baixo rendimento escolar.

E quanto seria esse “tempo excessivo”? Como diz Cary Gross, professor da Faculdade de Medicina de Yale, e um dos responsáveis pelo estudo, há pesquisas que apontam uma média de 8 horas por semana, enquanto outros mostram que 2 horas por dia já seriam excessivas, tanto para os menores de 3 anos de idade, quanto para os maiores.


Mas, apesar de existirem mais evidências em relação à quantidade, é preciso estar atento também ao conteúdo que as crianças têm acesso. “Elas são como esponjas e absorvem o que vêem na televisão. O ideal é que os pais reduzam o tempo dos filhos em frente à tela”, diz. Cross tem dois, de 6 e 8 anos, e afirma que eles passam cerca de apenas 30 minutos diários em média em frente à TV ou ao computador. “E eu assisto a todo programa antes, assim como também conheço todo game que eles jogam”, fala. Entre as medidas apresentadas aos pais pelo grupo de pesquisadores, estão monitorar o uso, ver, ouvir e navegar junto com eles na internet, além de explicar às crianças o que é positivo e negativo nos programas de TV e games.


Link original: Crescer - NOTÍCIAS - Brincadeira na infância reflete em uma vida adulta mais saudável

4o. SEMINÁRIO REVISTA CRESCER - FAMÍLIAS CONTEMPORÂNEAS

4o. SEMINÁRIO REVISTA CRESCER - FAMÍLIAS CONTEMPORÂNEAS

O evento, que vai abordar sobre Brincar, acontece no dia 11 de setembro.
Este ano você pode levar o seu filho. Veja como participar clicando no link abaixo:

http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI316586-18479,00-O+SEMINARIO+REVISTA+CRESCER+FAMILIAS+CONTEMPORANEAS.html






A CRESCER convida você para participar do 4o. Seminário Revista Crescer - Famílias Contemporâneas, que este ano vai abordar o tema BRINCAR.
Qual a importância das brincadeiras em grupo, dos jogos individuais e dos brinquedos eletrônicos; o tempo certo para cada atividade e como conduzir da melhor maneira possível a hora mais esperada pelo seu filho.
O evento será dividido em dois painéis, por idade:
1o. painel - Voltado para os pais de crianças de 0 a 3 anos - início: 9h15 | término: 10h50
2o. painiel - Voltado para os pais de crianças de 4 a 8 anos - início: 11h30 | término: 13h

Inscreva-se até 2/9/2012. Clique aqui e faça seu cadastro já! Este ano, você também pode levar os seus filhos.

4o. SEMINÁRIO REVISTA CRESCER - FAMÍLIAS CONTEMPORÂNEAS
DATA: 11/9, com welcome coffee às 8h30
LOCAL: Espaço Gardens | Av. Queiroz Filho, 830 - Alto de Pinheiros - São Paulo/SP

Aprender o Alfabeto fica mais divertido com Brinque-lonas!

Diversão: palavra de ordem para todas as crianças.
Ou você conhece alguma que não gosta de se divertir?

Para elas, não há nada mais legal no mundo do que brincar! E brinquedo que se preza tem que ser divertido, certo? É pré-requisito principal para sua criação. A diversão é a essência do brinquedo, sua razão de existir.

A Brinque-lonas possui uma linha de brinquedos totalmente inovadora, que garante não só a diversão da garotada, mas ajuda no aprendizado. Com forte apelo pedagógico e educativo, os brinquedos Brinque-lonas são criados para que a criança aprenda se divertindo. Quer ver?

Já pensou em ensinar o alfabeto brincando? Com o Brinque-lonas Arca de Noé é exatamente assim. As crianças brincam e aprendem ao mesmo tempo.

O brinquedo foi desenvolvido com base em técnicas pedagógicas modernas, que tornam sua funcionalidade de simples entendimento. Seu design, colorido e com desenhos exclusivos, foi elaborado especialmente para prender a atenção dos pequenos.



O Arca de Noé trata-se de um jogo, uma corrida em volta do tabuleiro, onde as “casas” são formadas por letras do nosso alfabeto. Para cada letra existe um animal no jogo. Exemplo: A = Arara, G = Girafa, P = Pato, etc. Quando a criança cai em uma letra, ela deve encontrar no tabuleiro o animal correspondente, tornando-se portadora do mesmo. O objetivo é conseguir ser portador do maior número de animais possível.

O jogo termina quando todos os animais tiverem sido recolhidos do tabuleiro, o que não é fácil de acontecer, pois a criança deve cair exatamente sobre uma casa que contenha a letra cujo animal ainda não foi retirado. Caso contrário, o jogo permanece.

Há ainda a “casa curinga”, que é a casa da Pombinha. Quem cair nesta casa pode escolher qualquer animal do jogo para si, mesmo que este já esteja em poder de outro jogador. Assim, mesmo quando restam poucos animais no tabuleiro, o jogador que estiver portando o maior número de animais não tem a garantia da vitória até que o último animal seja retirado.

Durante a brincadeira, a criança aprende e memoriza as letras do alfabeto sem perceber que está passando por um processo de aprendizagem. Ao fazer a associação de uma letra com um animal, ela tem uma tendência muito grande a memorizar a letra, se comparado a outros métodos, pois os animais são elementos da natureza que causam fascínio e curiosidade às crianças.

O assunto não foi escolhido por acaso. A famosa história da Bíblia, onde Deus avisa Noé que viria sobre a Terra um grande dilúvio, e que ele deveria construir um barco para salvar sua família e os animais, é o tema perfeito para este jogo.


Resumo do Brinquedo:

Objetivo: auxiliar o aprendizado das letras do Alfabeto através da associação das com animais. Cada letra está representada por um animal diferente, totalizando 26 animais. O jogo se desenvolve como uma corrida através do percurso formado pelas letras do alfabeto e termina quando todos os animais tiverem sido retirados do tabuleiro. Será o vencedor aquele que conseguir o maior número de animais.

Número de Jogadores: 2 a 6 jogadores
Faixa etária: a partir de 6 anos

Conteúdo versão GIGANTE:
1 tabuleiro 2,05m x 1,05m
26 pecinhas com animais
6 pecinhas com números
1 dado
Embalagem em formato de tubo
Regras do Jogo

Conteúdo versão MEGA-GIGANTE:
1 tabuleiro 6,00m x 3,10m
26 peças com animais
6 cones coloridos
1 dado gigante de espuma
Embalagem em formato de mala com rodinhas
Regras do Jogo


Educar é inovar! Os brinquedos educativos da Brinque-lonas são ferramentas inovadoras nas mãos do Educador. Tenha esta novidade em sua escola.

Acabou a chatice na hora de aprender os Algarismos Romanos!

Acabou a chatice na hora de aprender os Algarismos Romanos!

Não que este assunto seja chato, mas muitas crianças apresentam dificuldades com determinados temas ou matérias. É comum ouvirmos hoje expressões como: “detesto matemática”, “acho a química muito chata”, ou ainda “não quero nem saber de português”.

Assim como nós, as crianças também têm preferência por alguns assuntos, que despertam mais seu interesse do que outros. Isto é absolutamente normal, pois cada criança possui seu próprio caráter. Além disso, a forma como são educadas e o meio em que vivem contribuem na formação de seus gostos, ideias e escolhas.

Mas o que fazer se algumas crianças não gostam de matemática, por exemplo?

É fato que elas precisam aprender. Além de fazer parte da grade curricular, a matemática é fundamental para o desenvolvimento mental e será útil por toda a vida.

Em relação ao ensino infantil, uma das soluções mais eficazes é a Educação Lúdica. Já é comprovado que a utilização de ferramentas divertidas no processo de aprendizado desperta muito mais o interesse dos pequenos, eliminando a “chatice” de alguns assuntos trazidos de maneira tradicional.


Uma dessas ferramentas é o KIT de Dados Educativos da Brinque-lonas. São dados de espuma, coloridos e ilustrados numa linguagem infantil, onde o educador realiza atividades divertidas com a classe, que aprende brincando. As possibilidades de formação de algarismos romanos diferentes chegam a mais de mil, com este brinquedo.

A criança se diverte e ao mesmo tempo está aprendendo um assunto que antes não tinha o menor interesse. Neste caso, a criatividade do Educador é extremamente importante! A atividade precisa ser dinâmica, com ações que incentivam a competição sadia e façam com que os pequenos saiam da sua zona de conforto.

Para isso, a Brinque-lonas também dá uma ajuda. Faz parte do KIT de Dados Educativos um Manual de Atividades do Educador, com informações acerca do assunto e diversas atividades pré-desenvolvidas para serem aplicadas em sala de aula.

Educar é inovar! Os brinquedos educativos da Brinque-lonas são ferramentas inovadoras nas mãos do Educador. Tenha esta novidade em sua escola.


Por que é importante brincar?

Quando a criança brinca, ela está tendo uma oportunidade de construir seu caráter e suas qualidades como cidadã do mundo.



Os brinquedos têm um papel fundamental no desenvolvimento da criança. Ao brincar ou manipular um objeto, a criança não está simplesmente brincando e se divertindo. Neste ato ela está desenvolvendo e operando várias funções motoras e cognitivas que serão fundamentais para toda a sua vida.

O brincar está longe de ser um simples passatempo. É uma atividade inerente à criança, que leva o ser humano ao encontro do conhecimento, da socialização e do desenvolvimento do seu caráter.

O ser humano nasceu para descobrir, para aprender, para tomar para si todos os conhecimentos, passando pelos mais simples até os mais complexos.
Por meio da brincadeira e da interação com as pessoas à sua volta, a criança irá descobrir e aprender coisas novas que valerão para toda a sua vida.

As oportunidades de conhecimento oferecidas aos pequenos, têm papel fundamental no desenvolvimento da sua estruturação motora, cognitiva e social. Neste cenário está inserido o brinquedo, a brincadeira e tudo aquilo que é lúdico.


O ato de brincar é uma atividade simples e ao mesmo tempo extremamente complexa. Ao manipular um carrinho, por exemplo, a criança faz uma percepção do “mundo maior” em que está inserida e traz para a brincadeira tudo aquilo que conseguiu perceber no cotidiano da cidade, da escola, da casa e da família. Essa interação entre o mundo real e a brincadeira ajuda a criança a enfrentar melhor os problemas futuros a que será submetida.

A brincadeira de amarelinha, apesar de muito antiga, continua sendo uma das melhores maneiras de desenvolver a coordenação motora da criança. O ato de pular, ficar em um só pé e se abaixar incrementa todo o processo de crescimento dos pequenos.


Brincar é tão importante que deve ser incentivado de todas as maneiras possíveis. Inclusive com a participação ativa dos adultos em geral. Quer ver um sorriso de uma criança? Sente junto com ela no chão e entre de corpo e alma na sua imaginação. As crianças têm muito a nos ensinar.

Equipe Brinque-lonas